EITA, ESTOU FICANDO CADUCA!

Já reparou que a partir de uma certa idade se esquecemos algo logo somos tachados, muitas vezes por nós mesmos, de caducos? Quando jovens, éramos

simplesmente distraídos. Mas agora...


É SAUDÁVEL ESQUECER


Esquecer algumas coisas é um mecanismo, em geral, saudável de eliminação de informações que não nos são mais relevantes. Mas isso vai tomando um peso muito grande à medida em que os anos vão passando.

Guardamos aquilo que nos interessa ou que para nós, seja importante. Já imaginou como seriam nossa saúde mental e emocional se lembrássemos de absolutamente tudo que vimos, ouvimos ou sentimos? Se lembrássemos de todas as experiências de nossas vidas provavelmente enlouqueceríamos.


MEMÓRIA E EMOÇÃO


Estamos vivendo em uma sociedade extremamente individualista que valoriza a juventude e produtividade o todo o tempo. Com isso podemos, com o passar dos anos, ter o sentimento de que não somos mais valorizados socialmente levando em alguns casos a um quadro de depressão.


Entender que a memória está relacionada às nossas emoções, ao nosso autoconceito, à nossa autoestima e aos nossos sentimentos é muito importante. Nossas emoções têm a capacidade de fixar ou esconder uma memória.


Estar atento às pequenas falhas de memória, à medida que envelhecemos é importante não porque necessariamente elas possam significar o início de algum tipo de demência. Mas porque elas podem gerar insegurança prejudicando nossa autonomia. E o medo de perder a autonomia é a preocupação maior das pessoas que já passaram dos 50 anos.


NEM TUDO É SINAL DE DEMÊNCIA


Uma das preocupações com a falha de memória está relacionada às doenças degenerativas – as demências. Estas provocam perda progressiva e aguda da memória, assim como dificuldade de raciocínio e de linguagem. Na dúvida procure logo seu médico.


No livro, O legado dos genes, as autoras citam o estudo realizado pela médica e professora de geriatria Claudia Kimie Suemoto, da faculdade de medicina da USP, que demonstrou que muitos casos de demência no município de São Paulo estão ligados às doenças vasculares, como os derrames. E que poderiam ser evitados com tratamentos preventivos contra obesidade, diabetes e hipertensão.


Mas para além dos casos de demência existe também a síndrome da amnésia benigna que consiste em pequenas disfunções na evocação – as recordações das memórias, principalmente as mais recentes. Suas causas podem ser emocionais, como algumas citadas acima ou orgânicas. Como a diminuição relativa do número dos neurônios e/ou fluxo sanguíneo regional do cérebro. Natural no nosso processo de envelhecimento.



Aqui algumas dicas de como ajudar seu cérebro a exercitar a memória:


- Interagir com o meio ambiente – não seja solitário

- Praticar exercício físico – mesmo que seja andar diariamente com seu cachorrinho

- Participar de atividades sociais

- Criar uma reserva cognitiva- aprenda coisas novas; armazene habilidades

- Fazer um diário dos fatos do dia; nada demais, apenas relate o que aconteceu

- Memorizar e recitar poesias - palavras com sons parecidos, mas sentidos diferentes

- Aprender a tocar um instrumento

- Aprender uma nova língua – ajuda a ter contato tb. com outra cultura

- Dormir bem – o sono profundo ajuda o cérebro a armazenar e fixar novos fatos e informações



Você, numa escala de 1 – 5 como classificaria a sua memória?



Fonte: livro O legado dos genes - o que a ciência pode nos ensinar sobre o envelhecimento – Mayana Zatz e Martha San Juan França – ed.Objetiva


25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo